Celly Campello

Célia Benelli Campello nasceu em São Paulo, 18 de junho de 1942. Foi uma cantora e a precursora do rock no Brasil. Célia foi criada em Taubaté. Começou sua carreira precocemente, dançou a canção "Tico-Tico no Fubá" aos cinco anos numa apresentação infantil. Com seis anos cantou na Rádio Cacique em Taubaté, onde passou toda sua infância. Tornou-se uma das participantes do Clube do Guri na Rádio Difusora de Taubaté. Estudou piano, violão e balé durante a sua infância. Aos doze anos já tinha o próprio programa de rádio, também na Rádio Cacique. Aos quinze anos de idade gravou o primeiro disco, “Handsome Boy”, lançado em 1958 em São Paulo no lado B do primeiro disco de 78 rotações do irmão Tony Campello que a acompanhou em boa parte da carreira como cantora e atriz. Celly estreou na TV no programa Campeões do Disco, da TV Tupi, em 1958. Em 1959 estreou um programa próprio, Celly e Tony em Hi-Fi, ao lado do irmão Tony Campello na Rede Record, durante dois anos. O seu primeiro álbum, Estúpido Cupido, foi lançado no ano de 1959 pela Odeon.

 

É considerado por alguns como o primeiro LP de rock brasileiro. A faixa-título foi o maior sucesso em 1960. A faixa título é uma versão feita por Fred Jorge da canção "Stupid Cupid", composta por Neil Sedaka e Howard Greenfield, lançada por Connie Francis em 1958. O disco contou com o conjunto de Mário Gennari Filho no acompanhamento, além do coro dos Titulares do Ritmo. A música foi lançada no programa do Chacrinha e se tornou um sucesso em todo país. Nesse mesmo ano participou do longa-metragem Jeca Tatu de Mazzaropi. O seu primeiro álbum de coletânea, Os Grandes Sucessos de Celly Campello, foi lançado em 1962 pela Odeon. Em 1962, Celly abandonou a carreira no auge, aos 20 anos, para se casar e morar em Campinas, com José Eduardo Gomes Chacon, o seu namorado desde a adolescência e passou a se chamar Célia Campello Gomes Chacon.

 

Ela teve dois filhos, Cristiane e Eduardo, e dois netos. Celly vinha sendo cogitada para apresentar o programa Jovem Guarda na TV Record, ao lado de Roberto e Erasmo Carlos. Como abandonou a carreira, Wanderléa tomou seu lugar. Em 1968, ela lançou o álbum, Celly, em homenagem aos seus 10 anos na gravadora Odeon. No início da década de 1970, Celly apareceu no Hollywood Rock no Rio de Janeiro, se apresentando com o seu irmão Tony Campello. O evento foi filmado para o documentário Ritmo Alucinante, lançado no mesmo ano. Em 1976, na novela Estúpido Cupido da TV Globo, Celly gravou uma participação especial. Devido ao sucesso da novela, ela tentou retomar a sua carreira, gravando o álbum, Celly Campello, lançado no mesmo ano pela RCA Victor, e fazendo alguns shows. Mas com o término da novela, voltou ao anonimato. Vítima de um câncer de mama, Celly Campello faleceu no dia 4 de março de 2003, no Hospital Samaritano em Campinas. 

 Rockdigital