Zero

É uma banda de rock brasileira. O Zero surgiu das cinzas do Lux, uma banda de punk jazz/no wave instrumental formada em São Paulo em 1978 e rebatizada de Ultimato em 1981 por Fabio Golfetti na guitarra, Alberto "Beto" Birger no baixo, Cláudio Souza na bateria, Gilles Eduar no saxofone e Nelson Coelho na guitarra. O vocalista Guilherme Isnard, que havia deixado sua banda, a Voluntários da Pátria, foi introduzido ao Ultimato por seu amigo Luiz Antônio Ribas, dono da gravadora independente Underground Discos e Artes. Em 1983 se reorganizaram como Zero. Seu primeiro lançamento foi o single "Heróis", que saiu pela CBS Records em 1985. No mesmo ano, a banda participou do primeiro álbum, Remota Batucada, da cantora May East, na faixa "Caim e Abel". A banda sofreu uma grande reestruturação em sua formação no mesmo ano, com todos os seus membros menos Isnard saindo. Muitos de seus ex-membros começariam seus próprios projetos. Fabio Golfetti e Cláudio Souza formaram a banda Violeta de Outono, e Beto Birger se juntou ao Nau com Vange Leonel.

 

A formação clássica da banda com Isnard, Alfred "Freddy" Haiat no teclado, Ricardo "Rick" Villas-Boas no baixo, Eduardo Amarante na guitarra e Athos Costa na bateria, lançaram o seu primeiro trabalho de estúdio, o EP, Passos no Escuro, pela EMI. Foi um sucesso de vendas, ganhando um Disco de Ouro. O EP gerou os sucessos "Formosa" e "Agora Eu Sei", o último contando com uma participação especial de Paulo Ricardo, vocalista do RPM. Em 1987, Athos Costa deixou a banda e foi substituído por Malcolm Oakley. A banda então começou a trabalhar em seu primeiro álbum de estúdio, Carne Humana, lançado em 1987, com os singles "Quimeras" e "A Luta e o Prazer". No mesmo ano abriram shows para Tina Turner em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em 1989, Guilherme Isnard anunciou que o Zero estava chegando ao fim. Isnard reuniu a formação clássica do Zero para um show celebrando o 15º aniversário da banda em 1998. O encontro seria apenas por um dia, mas a resposta dos fãs foi tão positiva que acabaram por anunciar uma reunião definitiva.

 

Seu primeiro lançamento após o hiato, foi o álbum de compilação, Electro Acústico, que saiu em 2000 pela Sony e continha regravações acústicas de algumas das canções antigas da banda, mais três faixas inéditas. Sérgio Naciffe entrou como baterista, Jorge Pescara no baixo e JP Mendonça como tecladista. Em 2003, para celebrar o 20º aniversário da banda, a EMI lançou o álbum, Obra Completa, uma combinação de Passos no Escuro e Carne Humana em apenas um CD. Em 2004 a Voiceprint Records lançou o álbum, Dias Melhores, uma compilação de demos com materiais antigos gravados pela banda entre 1984 e 1985. Em 2005, o Zero sofreu mais uma mudança em sua formação, com a entrada de Yan França na guitarra e Vitor Vidaut na bateria. Em 2007, em 30 de agosto, lançaram o seu segundo álbum de estúdio, Quinto Elemento, com financiamento próprio. Foi o seu primeiro lançamento desde 1987. Demos preliminares de cada uma das canções foram disponibilizadas no Myspace da banda. Mais reuniões da formação clássica da banda aconteceriam em 2012, quando tocaram ao vivo seus dois primeiros lançamentos na íntegra, e em 2013, para shows celebrando o 30º aniversário da banda.

 Rockdigital