Lobos

Fundada pelo guitarrista Cássio Tucunduva, em Niterói, no Rio de Janeiro, em 1965 com a explosão da beatlemania. Cassio convidou Zé Antonio da Cunha na guitarra base, Roberto Gomes no baixo e o baterista Homero Lara. A canção “Fanny” na voz de Antonio Quintella, ficou em primeiro lugar durante meses nas rádios. Acompanhada  por “Cabine Classe A”, na voz de Dalto, no primeiro compacto gravado pelo grupo em 1969. A canção foi lançada em 1970 pela gravadora Savoya de Ed Lincoln. A banda lançou o seu primeiro álbum, Miragem, no mesmo ano. Logo depois, Dalto foi seguir carreira solo. O tecladista Fábio Motta saiu e entrou Fred Vasconcelos, mudando de orientação musical.

 

Os Lobos participaram do VII Festival Internacional da Canção em 1972, onde  interpretaram a canção "Eu sou eu, Nicuri é o Diabo" de Raul Seixas. Logo em seguida, a banda assinou contrato com a Som Livre. A banda passou por várias formações ao longo dos anos e em 1977 acabou se dissolvendo, por desgaste nos relacionamentos e também pelo desejo dos integrantes de seguirem carreira solo e até outras profissões. A banda apareceu em alguns livros da história do rock brasileiro, como Histórias secretas do Rock Brasileiro, de Nélio Rodrigues, e Lindo Sonho Delirante, de Bento Araújo. Com essa nova motivação, eles se reuniram em 1991 para relançarem o seu primeiro álbum, Miragem.

 

Em 2010, a música título desse álbum, foi incluída na trilha sonora do filme 1972, de José Emílio Rondeau e Ana Maria Bahiana. Em 2013, Cássio e Antônio Quintela reuniram a banda para o show De Volta à Estrada, no Teatro Municipal de Niterói, quando foram acompanhados por Denise Pinaud na voz, Rogério Fernandes no contrabaixo, Danielli Espinoso no teclado e Francesco Nizzardelli na bateria. Nesse mesmo ano, Os Lobos teve sua obra lançada em coletânea pela gravadora Discobertas e sua biografia em livro do jornalista Nélio Rodrigues, em evento no Teatro Municipal de Niterói no dia 6 de Setembro.

 Rockdigital