bixo.jpg

Bixo da Seda

Foi uma banda de rock brasileira. A banda foi formada em 1967 na Vila do IAPI, um bairro operário de Porto Alegre, pelo vocalista Fughetti Luz, o guitarrista solo Mimi Lessa, o guitarrista base Marcos Lessa, o baixista Wilmar Ignácio Seade Santana, conhecido como Peco ou Pepeco e o baterista Edson Espíndola. Inicialmente, tocavam covers de rock inglês em clubes localizados em Porto Alegre e no restante do estado. No ano seguinte quando recebem um convite de Carlinhos Hartlieb para defender sua canção "Por Favor, Sucesso" no II Festival Universitário da Música Popular Brasileira, em Porto Alegre, que funcionava como eliminatória para o IV Festival Internacional da Canção, no Rio de Janeiro. A música se tornaria a vencedora do festival e conseguem o direito de participar das eliminatórias do FIC daquele ano no Rio de Janeiro. Eles não conseguem chegar à final, mas acabam conseguindo um contrato com a gravadora carioca, a Equipe. Em 1969, ainda como Liverpool, eles gravam o seu primeiro álbum, Por Favor, Sucesso, que foi lançado no mesmo ano. 

 

O álbum sofre grandes influências do movimento tropicalista e, também, do rock psicodélico. Além do álbum de estúdio, são lançados um compacto duplo, Liverpool, e um compacto simples, "Por Favor, Sucesso" / "Olhai os Lírios dos Campos", no mesmo ano. Eles são convidados para fazer a trilha sonora do filme Marcelo Zona Sul, de Xavier de Oliveira, e gravam o compacto duplo, Marcelo Zona Sul, lançado em 1970. Eles mudam o nome da banda para Liverpool Sound, e lançam um compacto, "Hei Menina" / "Fale", lançado em 1971 pelo selo Polydor, da gravadora Phonogram, sendo que o lado A faz algum sucesso nas rádios do país. No mesmo ano, participam do programa Som Livre Exportação, da Rede Globo. Em 1972, a banda se desfaz com Fughetti se casando e indo passar uma temporada na Europa, Peco viajando pelo país e o restante retornando para Porto Alegre. No final de 1973, os antigos membros da Liverpool, menos Fughetti Luz, começam a se reunir para retomar a banda, e resolvem mudar o nome da banda novamente, e Bixo da Seda foi ideia do guitarrista Zé Vicente Brizola, que fazia parte da banda juntamente com o tecladista Cláudio Vera Cruz.

 

Na mesma época, Fughetti havia voltado para Porto Alegre e montado diversas bandas, como Laranja Mecânica, Bobo da Corte e Trilha do Sol. Foi então que Mimi Lessa chamou Fughetti para voltar a assumir o vocal da banda Bixo da Seda. Em 1975, a banda se muda para o Rio de Janeiro e começam a realizar diversos shows naquela cidade, em São Paulo e em Belo Horizonte. Na mudança de cidade, Peco, Zé Vicente Brizola e Cláudio Vera Cruz saem da banda, entrando o tecladista Renato Ladeira, ex-integrante da banda carioca A Bolha, e, também, Marcos Lessa passa a tocar baixo. Com essa formação, gravam o seu segundo álbum, Bixo da Seda, lançado em 1976 pela gravadora GEL, através do selo Continental. Nos anos seguintes, realizam vários shows pelo país. Entretanto, em 1980, a banda chega ao fim por dificuldades financeiras para se manter na capital fluminense. Após o término da banda, os integrantes se reuniram para shows em diversas oportunidades, mas sempre sem a presença de Fughetti Luz, por motivos de saúde. O Bixo da Seda participa do álbum de coletânea, A Música de Porto Alegre – Rock, lançado em 1993 de forma independente. A partir de 2011, a banda voltou aos palcos para shows em diversas oportunidades com Marcelo Guimarães nos vocais e com Marcelo Truda na guitarra.