Foi uma banda americana de blues rock. Paul Butterfield frequentou a Universidade de Chicago, onde conheceu o aspirante a guitarrista de blues Elvin Bishop. Ele cantava e tocava gaita e Bishop o acompanhava na guitarra. Eles começaram a se apresentar no Big John's, um clube popular na Cidade de Chicago. Eles persuadiram o baixista Jerome Arnold e o baterista Sam Lay, ambos da banda de turnês de Howlin 'Wolf para formar um grupo com eles em 1963. Butterfield conheceu o guitarrista Mike Bloomfield, que também estava tocando no clube. Por acaso, o produtor Paul A. Rothchild testemunhou uma de suas performances e ficou impressionado com a química entre os dois. Ele persuadiu Butterfield para trazer Mike Bloomfield para a banda, e eles assinaram um contrato com a Elektra Records. A banda foi convidada para se apresentar no Newport Folk Festival em julho de 1965. Bob Dylan convidou a banda para apoiá-lo na sua primeira performance elétrica ao vivo. A banda adicionou o tecladista Mark Naftalin, e seu primeiro álbum, The Paul Butterfield Blues Band, foi lançado em 1965. O seu segundo álbum, East-West, foi lançado em 1966. O álbum alcançou a posição 65 na Billboard 200. Na Inglaterra, em novembro de 1966, Butterfield gravou várias músicas com John Mayall & the Bluesbreakers, do álbum, A Hard Road.

 

O EP John Mayall's Bluesbreakers with Paul Butterfield, foi lançado no Reino Unido em janeiro de 1967. Apesar de seu sucesso, o Butterfield Blues Band logo mudou sua programação. Arnold e Davenport deixaram a banda, e Mike Bloomfield passou a formar seu próprio grupo, a Electric Flag. Com Bishop e Naftalin permanecendo na guitarra e teclados, a banda adicionou o baixista Bugsy Maugh, o baterista Phillip Wilson, os saxofonistas David Sanborn e Gene Dinwiddie. Esta formação gravou o seu terceiro álbum, The Resurrection of Pigboy Crabshaw, lançado em 1967. O álbum alcançou a posição 52 na Billboard 200. Em seu quarto álbum, In My Own Dream, lançado em 1968. O álbum alcançou o número 79 na Billboard 200. No final de 1968, tanto Bishop quanto Naftalin saíram da banda. A The Butterfield Blues Band foi convidada a tocar no Woodstock Festival em 18 de agosto de 1969. Apesar de sua performance, eles não apareceram no filme Woodstock. O seu sexto álbum, Keep On Moving, foi lançado em 1969, com apenas Butterfield da formação original. O álbum alcançou a posição 102 na Billboard 200. O seu primeiro álbum ao vivo, Live, foi lançado em 1970. O álbum duplo foi gravado de 21 a 22 de março de 1970, no The Troubadour, em West Hollywood, Califórnia. 

 

O seu sétimo álbum, Sometimes I Just Feel Like Smilin', foi lançado em 1971, e o Paul Butterfield Blues Band se desfez. Em 1972, uma retrospectiva da sua carreira, Golden Butter: The Best of the Butterfield Blues Band, foi lançado pela Elektra. Após a dissolução da banda, Paul formou a sua próxima banda, a Paul Butterfield's Better Days, que gravou 2 álbuns de estúdio. Butterfield prosseguiu em sua carreira solo e com músicos de apoio, e continuou a turnê e gravou o seu primeiro álbum solo, Put It in Your Ear, foi lançado em 1976 e o seu segundo álbum, North South, foi lançado em 1981. A partir de 1980, Paul Butterfield passou por vários procedimentos cirúrgicos para aliviar a sua peritonite, uma grave e dolorosa inflamação dos intestinos e começou a usar analgésicos, incluindo heroína, o que levou a um vício. Seu amigo, Mike Bloomfield foi encontrado morto de uma overdose de drogas em seu carro no dia 15 de fevereiro de 1981. O seu terceiro e último álbum solo, The Legendary Paul Butterfield Rides Again, foi lançado em 1986. Em 15 de abril de 1987, ele participou do concerto BB King & Friends e em 4 de maio de 1987, aos 44 anos, Paul Butterfield morreu em seu apartamento no bairro de North Hollywood,  Los Angeles, vítima de uma overdose de drogas.

 

Paul Butterfield Blues Band

 Rockdigital