Mercyful Fate

Foi uma banda de heavy metal dinamarquesa.  Em 1980, o vocalista King Diamond montou a banda de punk-metal Brats com os guitarristas Hank Shermann e Michael Denner e o baixista Timi Hansen. A Brats acabou depois de alguns shows. King e Shermann formaram um novo projeto, enquanto Denner e Hansen formaram a Danger Zone. Quando a Danger Zone solicitou ajuda de King para gravar sua demo, juntaram os quatro integrantes da Brats e o baterista Kim Ruzz e a banda Mercyful Fate foi oficialmente formada. A banda imediatamente entrou em estúdio para gravar duas demos. As demos receberam uma significativa atenção do público e da crítica. King Diamond adotou o visual macabro, pintando seu rosto como uma máscara demoníaca, inspirado em uma performance de Alice Cooper de 1975. A banda assinou um contrato com a Ebony Records. Eles lançaram um mini-álbum sem título pela Rave-On Records, um selo alemão. O seu primeiro álbum, Melissa, lançado em 1983 pela Roadrunner Records. Melissa era o nome de uma caveira usada pela banda nos shows e roubada por um fã durante uma turnê em Amsterdã. 

 

O sucesso internacional da banda foi com o lançamento do seu segundo álbum, "Don't Break the Oath" em 1984. A partir daí, durante uma turnê americana, começaram a surgir os desentendimentos entre King e Shermann. O desgaste entre esses integrantes se agravou na época em que participavam do Christmas Metal Meetings, na Alemanha, resultando no fim do Mercyful Fate. Em 1985, King Diamond formou uma banda com seu nome, ao lado dos ex-integrantes do Mercyful, Michael Denner e Timi Hansen, além do baterista Mikkey Dee e do guitarrista Andy LaRocque. Em 1993, King Diamond, Shermann, Denner e Hansen voltaram a se reunir para reformar o Mercyful Fate com o baterista Morten Nielsen substituindo Ruzz e assinando um contrato com a Metal Blade Records, devido problemas com a Roadrunner. O seu terceiro álbum de estúdio, In the Shadows, foi lançado em 6 de junho de 1993. Diferentemente dos álbuns anteriores do Mercyful Fate, que eram inteiramente centrados em temas líricos do satanismo e do ocultismo, as letras deste álbum são bastante focadas em temas de terror mais conceituais, semelhante ao trabalho de King Diamond com sua banda de mesmo nome. O álbum teve a participação do baterista Lars Ulrich do Metallica na canção "Return of the Vampire".

 

Nielsen saiu da banda devido uma lesão que sofrera no joelho e Hansen também saiu. Seus substitutos foram, Snowy Shaw na bateria e Sharlee D'Angelo no baixo.  O quarto álbum de estúdio, Time, foi lançado em 25 de outubro de 1994. Após o lançamento do álbum, o baterista Bjarne T. Holm entrou no lugar de Shaw. Em 1995, King Diamond lançou pela sua banda solo o álbum The Spider's Lullabye, e decidiu que as duas bandas continuariam a existir e fazer shows paralelamente. O Mercyful Fate gravou o seu quinto álbum, Into the Unknown, que foi lançado em 20 de agosto de 1996. É o álbum de maior sucesso comercial da banda, que alcançou a posição 31 nas paradas finlandesas, permanecendo por duas semanas no Top 40. Depois de seu lançamento, o guitarrista Mike Wead foi contratado para substituir Denner. Com esse álbum é realizada a primeira turnê das duas bandas em conjunto. O sexto álbum, Dead Again do Mercyful Fate foi lançado em 9 de junho de 1998. O seu sétimo álbum, 9 e o último trabalho de estúdio da banda foi lançado em 15 de maio de 1999. Depois de realizar a turnê promocional do álbum, o Mercyful Fate foi dissolvido. King Diamond continuou com sua banda solo junto com o guitarrista Mike Wead, que entrou na banda durante os shows do seu nono álbum solo, House of God, lançado em 2000. Em 01 de agosto de 2019, o Mercyful Fate anunciou uma reunião e uma turnê européia.

 Rockdigital