Bo Diddley

Ellas Otha Bates nasceu em McComb, Mississippi no dia 30 de dezembro de 1928. Foi um cantor, compositor e guitarrista de blues norte-americano. Ellas foi adotado e criado pelo primo de sua mãe, Gussie McDaniel, cujo sobrenome ele assumiu e se tornou Ellas McDaniel. Ele era um membro ativo da Igreja Batista Ebenezer de Chicago, onde estudou trombone e violino. Ele tocou até os 18 anos. No entanto, ele estava mais interessado na música pulsante e rítmica que ouvia na Igreja Pentecostal local e começou a tocar guitarra. Inspirado por uma performance de John Lee Hooker, ele complementou sua renda como carpinteiro e mecânico tocando nas esquinas com amigos, incluindo Jerome Green na banda Hipsters, posteriormente renomeada como Langley Avenue Jive CatsGreen se tornou um membro quase constante na banda de apoio de McDaniel. Durante os verões de 1943 e 1944, ele tocou no mercado na Maxwell Street em uma banda com Earl Hooker. Em 1951, ele tocava na rua com o apoio de Roosevelt Jackson no baixo washtub e Jody Williams na guitarra. Em 1951, ele conseguiu uma vaga regular no 708 Club, no South Side de Chicago. No final de 1954, ele se juntou ao gaitista Billy Boy Arnold, o baterista Clifton James e o baixista Roosevelt Jackson e gravou demos de "I'm a Man " e "Bo Diddley". Eles regravaram as músicas no Chess Studios. O álbum foi lançado em março de 1955, e o lado A , "Bo Diddley", se tornou um hit de R&B número 1. Em 20 de novembro de 1955, Diddley apareceu no programa de TV The Ed Sullivan Show.

 

A Chess Records incluiu o cover de "Sixteen Tons" de Diddley no álbum de 1960 Bo Diddley Is a Gunslinger. Entre 1958 e 1963, a Checker Records lançou onze álbuns completos de Bo Diddley. Em 1963, Diddley estrelou uma turnê no Reino Unido com os Everly Brothers e Little Richard junto com os Rolling Stones. Depois de se mudar de Chicago para Washington, DC, Diddley construiu seu primeiro estúdio de gravação caseiro no porão de sua casa, o estúdio foi o local onde ele gravou o LP Checker, Bo Diddley Is a GunslingerDiddley assinou um contrato com a Okeh Records. Diddley incluiu mulheres em sua banda, conhecida como The Duchess, com Peggy Jones, também conhecida como Lady Bo, uma guitarrista solo. Em 25 de março de 1972, ele tocou com o Grateful Dead na Academia de Música de Nova York. Diddley passou alguns anos no Novo México, morando em Los Lunas de 1971 a 1978, enquanto continuava sua carreira musical. No final da década de 1970, ele deixou Los Lunas e se mudou para Hawthorne, na Flórida. Em 1979, ele apareceu como um ato de abertura do The Clash em sua turnê pelos EUA. Em 1983, ele fez uma participação especial no filme de comédia Trading Places. Ele também apareceu no videoclipe de George Thorogood para a canção "Bad to the Bone". Diddley foi incluído no Rock and Roll Hall of Fame em 1987. Em 1996, ele lançou A Man Amongst Men, seu primeiro álbum com uma grande gravadora, e seu último álbum de estúdio. O álbum foi indicado ao Grammy Awards em 1997 na categoria Melhor Álbum de Blues Contemporâneo. 

 

Diddley fez vários shows pelo país em 2005 e 2006, com o colega Johnnie Johnson e sua banda. Em 2006, ele participou como headliner do concerto A Florida Keys for Katrina Relief, de arrecadação de fundos para beneficiar a cidade de Ocean Springs, Mississippi, que foi devastada pelo Furacão Katrina. Sua última performance de guitarra em um álbum de estúdio foi em 2006 com a banda New York Dolls em seu álbum, One Day It Will Please Us to Remember Even This, na música "Seventeen", que foi incluída como faixa bônus na versão de edição limitada do álbum. Em maio de 2007, Diddley sofreu um derrame após um show no dia anterior em Council Bluffs, em Iowa. Diddley tinha histórico de hipertensão e diabetes, e o derrame afetou o lado esquerdo de seu cérebro, causando afasia receptiva e expressiva, comprometimento da fala. O derrame foi seguido por um ataque cardíaco, que ele sofreu em Gainesville, Flórida, em 28 de agosto de 2007. Enquanto se recuperava, Diddley voltou para sua cidade natal, McComb, no Mississippi, no início de novembro de 2007, para o descerramento de uma placa dedicada a ele na Trilha dos Blues do Mississippi. No evento, o músico local Jesse Robinson, cantou uma canção escrita para a ocasião, Robinson sentiu que Diddley queria se apresentar e entregou-lhe um microfone, sendo a última vez que ele se apresentou publicamente. Bo Diddley faleceu no dia 2 de junho de 2008, de insuficiência cardíaca em sua casa em Archer, Flórida, aos 79 anos de idade.